Diadema – livro digital

Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011
Memória digital

DIADEMA
PARA O DIÁRIO REGIONAL

Está sendo lançado livro digital com reconstituição da história de Diadema, no período de 1928 a 2010. São 2800 páginas com reportagens sobre vários assuntos; fotos; charges; depoimentos; entrevistas; estatísticas; mapas, entre outros. Foram utilizadas dezenas de fontes (da própria administração local e da grande imprensa).

As páginas estão digitalizadas em 300 DPI, em cores, formato tiff, compondo um Banco de Dados com 85 GB e podem ser adquiridas na forma de um pacote completo ou por uma seleção de capítulos individuais. A escolha pode ser feita por meio do Roteiro Histórico, que contém 28 capítulos. Podem ser disponibilizadas em HD externo ou gravadas em DVD, a depender da quantidade escolhida e o custo básico por página: R$ 1.

O professor Valderi Antão Ruviaro, mais conhecido como Valdo, foi um dos envolvidos diretamente no projeto por ser um historiador da cidade, e explicou melhor sobre como foi desenvolvido todo o trabalho

Como surgiu a idéia da publicação deste livro digital?

Em primeiro lugar, gostaria de esclarecer que não se trata de um livro tradicional impresso em papel. Trata-se de um Banco de Dados contendo documentos digitalizados (escaneados), que chamamos de “livro digital”.
Há dez anos, o projeto estava estruturado para uma dupla publicação, isto é, em livro (papel) e em DVD (encartado no próprio livro papel).

Tinha como título: Diadema, uma jovem socialista. Esse projeto foi sendo desenvolvido até 2006. Paralelamente, fomos pesquisando e reunindo mais e mais material histórico sobre Diadema (chegamos a juntar mais de 5 mil páginas do período de 1930 para frente). A edição inicial prevista para livro e DVD foi abandonada, pois o custo seria muito alto.

Retomamos o projeto com nova fisionomia em 2010 tendo como título: Diadema em 2800 páginas históricas. Importante: somente na forma digital. Daí, selecionamos 2800 imagens do nosso acervo de 5 mil.

Abrangência: de 1928 a 2010 contemplando documentos históricos do período anterior à emancipação de Diadema, o processo de emancipação, o plebiscito popular (1958), a primeira eleição municipal de 1959, a posse da primeira administração (prefeito e vereadores) em 1960, e todas as gestões posteriores até a atual, do Mário Reali.

Essa nova formatação teve como eixos básicos: o mandato dos prefeitos e diversos aniversários da cidade. Ao todo, são 27 momentos importantes da história de Diadema recuperados nestas 2800 páginas históricas.

Finalmente, a motivação básica deste trabalho (livro digital) pode ser resumida da seguinte maneira: Diadema, especialmente nos seus últimos quase 30 anos teve uma importância local, regional e nacional enquanto experiência de uma administração popular e democrática, servindo de referência para muitas iniciativas de administrações populares locais em diversos cantos do Brasil. Por isso, apesar dos contínuos problemas ainda existentes e que precisam ser superados, essa experiência merecia ser reconstituída, especialmente no tocante às políticas públicas de maior interesse da população. Nessa direção, pensamos que nosso trabalho de pesquisa e reconstituição histórica pode contribuir para o avanço da história popular.

O material reunido tem somente seu arquivo pessoal ou também reúne material da prefeitura?

Como sociólogo, pesquisador e assessor de movimentos sociais populares durante os últimos 40 anos, me considero mais um dentro da multidão que se esforça para construir uma sociedade de igualdade para toda a humanidade, demolindo, assim, esquema milenar de opressão e exploração da classe dominante sobre as classes populares. Uma das minhas contribuições foi de “catador de papéis históricos” dos diversos movimentos populares que deixaram sua marca de luta.

O material histórico sobre Diadema possui duas características: o que a própria administração (prefeitura) em seus diversos momentos produziu e divulgou; e o que a grande imprensa produziu e publicou amplamente. Esses dois tipos de material se constituíram na base da montagem do livro digital. Em resumo: trata-se de um documentário em que Diadema é contada e vista pela sua própria boca pública e pela boca da grande imprensa. São dezenas de fontes e centenas e centenas de recortes de jornais, folhetos, cartazes; panfletos, charges, fotos; desenhos, mapas, estatísticas; depoimentos, opiniões, entrevistas, entre outros. É bom destacar que o Diadema Jornal (de 1963 até hoje ) foi uma das fontes principais, juntamente com o Diário Regional.

Quanto tempo foi gasto para reunir o material e fazer o livro?

Para melhor entender, vamos destacar três tempos: tempo 1, mais de 10 anos na coleta do material; tempo 2, organização do material (ordem cronológica, tipo de material, temas, recortes, colagens) que foi sendo feita por etapas de acordo com a coleta do material, desde 1998; tempo 3: digitalização e montagem do banco de dados em livro digital, que durou três anos. Nesses tres tempos, trabalharam quatro pessoas com tarefas e tempos diferenciados.

Qual público o livro deve atingir?

Pensamos que esse tipo de material histórico pode interessar para: jovens estudantes de Diadema em níveis diversos; grupos populares com alguma atividade relativa à história de Diadema; professores de história; escolas municipais de Diadema; secretarias municipais (Cultura, Educação, Saúde, Moradia, entre outras); pesquisadores (subsídios para elaboração de TCCs, teses); universidades; pontos de cultura; centros de memória da região, especialmente; prefeituras do ABCDMRR; grande imprensa e imprensa municipal; memorialistas e documentalistas; movimentos sociais populares; conselhos populares; lideranças políticas; partidos políticos (especialmente os locais); Câmara Municipal; bibliotecas; ONGs; centro industrial de Diadema; IBGE e jornalistas.

Qual a expectativa de venda do material?

Como se trata de um tipo de material histórico diferenciado das “mercadorias em geral”, não é fácil estimar o volume de livros digitais (em HD e DVD) que podem ser vendidos. Além disso, podemos considerar que, no Brasil, somente uma pequena parte da população tem o instrumental necessário para manusear essa mídia, o que torna mais difícil estimar quantos serão os interessados em adquirir o pacote ou parte das 2800 páginas. O que temos em mente é buscar atingir o público acima apontado, pois, é ele que certamente tem sensibilidade e até necessidade profissional de ter em mãos tantas informações já coletadas, sistematizadas e de fácil e rápida utilização.

Estamos apostando especialmente nas organizações da sociedade e nas organizações públicas de Diadema e região que precisam de dados e informações históricas mais elaboradas. Mesmo que o custo de R$ 1 por página pareça até simbólico, sabemos da dificuldade de o povo adquirir esse material. Temos a certeza que todo diademense gostaria de ter acesso às imagens, até porque também participou e continua participando da construção de sua cidade.

Vamos apostar que haja um bom número de interessados. Nas diversas vezes em que fizemos sondagens durante esse tempo todo podemos afirmar que houve receptividade boa. Neste momento vale a pena divulgar o material e demonstrar o quanto é importante a recuperação histórica de uma experiência significativa como a de Diadema.

Grupo ABCD de jornais Ltda
Central de Atendimento
(11) 4057-9000
www.diarioregional.com.br

Esta entrada foi publicada em Polêmicas e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
To prove you're a person (not a spam script), type the security word shown in the picture. Click on the picture to hear an audio file of the word.
Anti-spam image